Brownies com cobertura de fitas de coco

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Hoje tenho a alegria de trazer pra você estes brownies que são simplesmente ARREBATADORES. Em maiúsculas, mesmo. Chocolate e coco, né, gente. Se juntos já causam, imagina juntos.

A ideia veio da mente genial de Alice Medrich, e eu a conheci há quase 6 anos no Technicolor Kitchen. 'Mas se a receita era tão boa, por que demorou tanto pra aparecer aqui?', você me pergunta. É que a fórmula original pedia chocolate com teor de cacau de 99% - que, além de ser difícil de achar, é super caro. Resultado: a receita foi para a lista 'quem sabe um dia'.

Até que, há um tempo, num artigo que apresentava formas de deixar brownies comuns 'vestidos para festa', a própria Alice sugeriu que usássemos a nossa receita preferida de brownies, só reduzindo um pouco a quantidade de açúcar. AEEEEE!

A receita que vocês verão agora é, portanto, uma adaptação do meu brownie preferido, com uma magnífica cobertura de macaroon*.

Pra não dizer que os brownies não têm defeito, eles são um pouco chatos de cortar em quadrados perfeitos por conta das fitas de coco. E, claro, não agradam quem não curte doce de coco. Mas, para mim, estavam perfeitos! Teste e veja se você concorda comigo!

Brownie com cobertura de fitas de coco
Receita adaptada daqui, cobertura daqui

Ingredientes: 

150g de manteiga sem sal, temperatura ambiente e picada
150g de chocolate amargo picadinho (usei um com 70% de cacau)
200g de açúcar refinado
50g de açúcar mascavo claro
3 ovos grandes
1 colher (chá) de extrato de baunilha
150g de farinha de trigo
¼ colher (chá) de sal

Cobertura:
1 clara de ovo grande
1 1/4 de xícara de coco em fitas*
1/4 de xícara de açúcar
1 pitada de sal
3/4 de colher (chá) de extrato de baunilha

Modo de preparo:

Preaqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma assadeira quadrada com 20 cm de lateral e forre-a com papel manteiga (deixe sobras de papel dos lados para servirem como 'alças' na hora de desenformar). Unte o papel também - mas não as alças.

Em banho-maria, aqueça juntos os ingredientes da cobertura, mexendo constantemente com uma espátula até que o açúcar dissolva e a clara fique esbranquiçada (no começo, parece tudo bem seco, mas à medida que o calor age, fica bem combinadinho). Remova a tigela do calor e reserve.

Derreta juntos a manteiga e o chocolate: acomode-os em uma panela de fundo grosso, em fogo baixinho, e mexa vigorosamente o tempo todo para não deixar queimar. Quando eles estiverem parcialmente derretidos, remova a panela do fogo e continue mexendo até que o derretimento esteja concluído.

Com um batedor de arame, incorpore os açúcares à mistura de chocolate derretido. Verifique  se a temperatura da mistura já está morna. Se estiver, junte os ovos, um a um, mexendo bem a cada adição. Some a baunilha. Peneire a farinha e o sal sobre a mistura e incorpore gentilmente com uma espátula de silicone, mexendo de baixo para cima, até que não haja mais farinha aparente.

Despeje a massa na forma preparada e alise a superfície com uma espátula. Sobre ela, espalhe uniformemente a cobertura de coco.

Asse por 20-30 minutos ou até que as laterais e o topo estejam sequinhos, mas com o centro ainda úmido (faça o teste do palito - você precisa obter migalhas úmidas). Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Corte em quadradinhos para servir.

Brownie com cobertura de fitas de coco

Observações finais:

*  Macaroon, conhece? É um docinho de coco assado, todo descabeladinho, feito com açúcar e claras. Não confunda com macaron, aquele doce francês chiquérrimo, elegantérrimo, feito por quem realmente manja dos paranauês.

* Quer fazer macaroons? Aqui tem uma receita muito boa da própria Alice Medrich.

* Achou o método de derretimento do chocolate muito temerário? Derreta então no micro-ondas ou em banho-maria (você pode até aproveitar o banho-maria da preparação da cobertura).

* 'Não tem coco em fita onde eu moro!' - use coco em flocos não adoçados, reduzindo a quantidade para 1 xícara. Só não vale coco ralado, que é muito pititico.

Brownie-bolo de chocolate delicioso da Lyle

domingo, 13 de agosto de 2017

Esta foi a segunda receita que preparei usando golden syrup (tive que ser rápida, antes que as formigas tomassem a cozinha só para elas). Escolher brownies foi natural, já que tenho o mais exigente provador de brownies em casa.

Desde a primeira passada de olhos na receita, já sabia que ela não agradaria muito o hômi. Brownie com fermento tende a ficar cakey, e ele não curte muito (pra ele, brownie só merece ser chamado assim se for fudgy).

Não deu outra. Ele provou, elogiou o equilíbrio, o sabor intenso de chocolate, o toque caramelado, mas concluiu: "Só que isso não é brownie. É só bolo de chocolate". Até me deixou levar metade da receita para o pessoal do trabalho. Felizmente, os colegas não são críticos tão rigorosos e adoraram. O brownie-bolo acabou em um piscar de olhos.

Tem golden syrup à disposição e está a fim de provar um bolo de chocolate bem chocolatudo? Esta é uma boa pedida. Se fizer, depois me conte o que achou ;-)

****************

Aproveito o dia de hoje para homenagear os pais e, em especial, o hômi e o meu pai, que estão entre os melhores pais que eu já conheci. Em comum, eles têm o fato de jamais terem aceitado ser coadjuvantes na criação dos filhos. Dividem tarefas, responsabilidades e todo o resto de igual para igual com suas companheiras. Sabem ser doces e brincalhões, firmes e assertivos, uma fonte de segurança, amparo e bons exemplos.

Aos pais queridos que me leem agora, que vocês tenham um dia lindo e que continuem fazendo a diferença na vida de seus pequenos. Vocês não estão só criando bons filhos - estão tornando a humanidade melhor.

Bolo-brownie de chocolate adoçado com golden syrup
Receita ligeiramente adaptada daqui

Ingredientes:

200 g de chocolate amargo picado (use um como pelo menos 70% de cacau)
150 g de manteiga sem sal em cubinhos
3 ovos + 1 gema em temperatura ambiente
2 colheres (sopa) de água fria
250 g de golden syrup
95 g de farinha de trigo com fermento (usei sem fermento)
1 colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal (acréscimo meu)

Modo de preparo:

Preaqueça o forno a 180ºC. Unte com manteiga uma assadeira quadrada com 18 cm de lado. Forre-a com papel manteiga, deixando sobrar para os lados.

Derreta o chocolate junto com a manteiga em banho-maria. Deixe esfriar.

Em uma tigela grande, bata ligeiramente os ovos com a gema e a água. Acrescente o golden syrup, seguido da mistura de chocolate e manteiga, mexendo até ficar homogêneo (se estiver batendo à mão, força na peruca, dá um pouco de trabalho para incorporar - mas dá certo).

Sobre essa misture, peneire a farinha de trigo e o fermento. Envolva delicadamente com uma espátula de silicone até a massa ficar lisa e uniforme.

Verta a massa na assadeira preparada e leve ao forno por uns 35 minutos (espete com um palito - se ele sair com migalhas úmidas, está pronto).

Deixe esfriar sobre uma grade na própria assadeira. Desenforme o brownie usando as sobras de papel manteiga. Remova o papel e corte em pedaços.

Sirva com sorvete ou com café (ou com os dois!).

Observações finais: 

* É muito comum que você veja essa recomendação em receitas que levam golden syrup (e nesta, em especial): resista à tentação de comer no mesmo dia que preparar. O sabor se desenvolve muito de um dia para o outro.

* Substituições possíveis para o golden syrup: combine 2 partes de Karo e 1 de melado de cana; ou partes iguais de mel e de Karo; ou só xarope de bordo (o preço é altíssimo, mas é mais fácil de encontrar); ou só Karo. O sabor não fica igual, mas deve ficar bom, também.

Pão de banana divino da Lyle

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Confesso que nem tinha pensado em estrear tão cedo o golden syrup - normalmente faço cerimônia quando tenho em minhas mãos um ingrediente muito desejado. Fico meses escolhendo a melhor receita possível. Mas, desta vez, nem deu tempo de pensar muito. As formigas da minha casa descobriram a lata e entraram em frenesi.

Antes que as pestinhas tomassem conta da cozinha, entrei no site da Lyle, a fabricante do golden syrup que eu ganhei, e fui atrás de receitas interessantes. Encontrei duas que, juntas, dariam cabo da lata inteira. Esta é a primeira delas.

Pessoalmente, prefiro bolos de banana fofinhos - pão de banana não é a minha primeira escolha. Mas este é realmente delicioso.

Se optar por servi-lo no mesmo dia, ele lembrará aqueles bolos com cobertura caramelada. Se embalá-lo (frio, claro) e deixar para servir no dia seguinte, ele absorverá a calda. Vai deixar de ter cara de banana caramelada, mas vai ficar muito mais saboroso. Pense aê o que você prefere ;-)

Pão de banana com golden syrup
Receita ligeiramente adaptada daqui

Ingredientes:

350 g de banana madura sem casca (usei 4 bananas-prata médias)
2 ovos ligeiramente batidos
50 g de manteiga sem sal derretida
150 g de golden syrup
185 g de farinha de trigo
2 1/2 colheres (chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de sal
60 g de nozes picadas (usei pecãs, que eu gosto muito mais)
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Decoração:
1 banana grande
1 colher (sopa) de golden syrup

Modo de preparo:

Preaqueça o forno a 170ºC. Unte com manteiga uma forma de bolo inglês com 23 x 13 x 7 cm*.

Acomode 2/3 das bananas em prato e amasse-as com um garfo até obter um purê. Pique o restante em cubinhos. Reserve.

Em uma tigela grande, combine os ovos, a manteiga derretida e o golden syrup, batendo com um fouet até espumar (como o golden syrup é bem denso, pode dar um pouco de trabalho - peça ajuda à sua batedeira, se precisar). Com uma colher de metal, envolva as bananas (amassadas e em cubinhos).

Sobre a tigela, peneire a farinha de trigo, o fermento e o sal. Envolva delicadamente. Por fim, incorpore as raspas de laranja e as nozes.

Verta a massa na forma preparada e alise a superfície. Corte a banana para decoração no sentido do comprimento e coloque sobre o bolo de maneira decorativa.

Leve ao forno até que o bolo fique dourado e passe no teste do palito. Retire do forno e deixe esfriar, ainda na forma, por 15 minutos. Remova então a forma e deixe esfriar completamente sobre uma grade.

Antes de servir, aqueça ligeiramente 1 colher de sopa de golden syrup e pincele com ela a superfície do bolo. Corte em fatias grossas e sirva.

Pão de banana com golden syrup - pequeno e cortado
Não consegui tirar uma foto boa do bolo grande cortado, mas tirei do pequeno. A textura dos dois ficou semelhante, com um tiquinho a mais de fofura e umidade no grande. Os pontos escuros na massa são as pecãs.

Observações finais:

* "Por que essa loka publica receita com ingrediente que não existe em canto nenhum?". Eu sei, golden syrup não é fácil de encontrar mesmo - esperei quase uma década para ter uma lata nas mãos. Mas vai que você encontra e fica sem saber o que fazer com essa belezinha. Já estou dando uma boa ideia, néam.

* No post sobre o golden syrup, eu expliquei as substituições possíveis, mas se estiver sem paciência de ir lá, pode deixar que eu repito aqui: combine 2 partes de Karo e 1 de melado de cana; ou partes iguais de mel e de Karo; ou só xarope de bordo (o preço é altíssimo, mas é mais fácil de encontrar); ou só Karo.

* Usei 3 formas descartáveis para assar o bolo. A forma amarela é de papel, tamanho grande, e foi comprada aqui. Como sobrou massa, fiz dois bolinhos pequenos, assados em forminhas de empada de tamanho médio (100 mL), de alumínio. Comprei aqui.

Enfim nos conhecemos - Lyle's Golden Syrup

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

A primeira vez que ouvi falar de golden syrup foi quando preparei Anzac biscuits - uns biscoitinhos de aveia deliciosos, tradicionais na Austrália e na Nova Zelândia (eram enviados pelas famílias da Oceania aos seus soldados durante a Segunda Guerra Mundial). Como não havia a menor possibilidade de obter golden syrup por estas bandas, eu simplesmente substituí por mel e dei o problema por resolvido.

Eis que, este ano, aproveitei a passagem da querida Valentina pelo Brasil e encomendei o mais tradicional dos golden syrups: o da latinha verde e dourada, da fábrica inglesa Lyle.

Golden Syrup
Ó que lata mais linda!

Golden syrup, algo que poderia ser traduzido como xarope ou calda dourada, é um subproduto do processo de refinamento do açúcar (assim como o nosso melado). É um ingrediente muito comum na confeitaria britânica (e na dos países de colonização britânica). A aparência é de um mel muuuuito viscoso (mas fica um pouco mais fluido quando aquecido).

Pra vocês terem uma ideia de como é viscoso, eu não fui capaz de tirar uma foto decente do dito cujo porque fiquei toda grudada assim que abri a lata. Tive que recorrer às fotos do Flickr com licença Creative Commons (ainda bem que a usuária LearningLark foi mais feliz que eu nessa empreitada).

The Beauty of Lyle's
Foto da usuária do flickr LearningLark (publicada sob uma licença Creative Commons). 

De sabor, é açúcar caramelado. Sabe calda de pudim? Pra mim, é exatamente esse gosto. E, posso confessar? EU AMO CALDA DE PUDIM. Provei e me deu frio na espinha só de me imaginar encontrando essa lata sozinha, em uma noite fria, depois de um dia difícil. Não ia sobrar nada de nenhuma de nós duas.

Como aproveitar um ingrediente tão incomum? Fazendo receitas em que ele mostra a que veio, ué!

Assim, as próximas duas receitas que você verá aqui usarão muito golden syrup. Se você tiver acesso fácil a ele, use. Se não tiver, substitua assim:

  • 2 partes de Karo, 1 parte de melado. Por exemplo, se a receita pede 150 g de golden syrup, você usa 100 g de Karo e 50 g de melado;
  • Partes iguais de Karo e mel. Por exemplo, se a receita pede 100 g de golden syrup, você usa 50 g de Karo e 50 g de mel;
  • A mesma quantidade de Karo;
  • A mesma quantidade de xarope de bordo.

Você deve ter um resultado parecido em termos de textura e aparência, mas o gosto certamente vai ser diferente. Possivelmente bom, mas diferente.

Ah, só mais uma coisa: buscando substituições para o golden syrup, encontrei um site bem legal que traz informações sobre os mais variados ingredientes e sugere como substitui-los (inclusive em termos de proporção). É The Cook's Thesaurus. Vale a pena conhecer!

Bolinhas de cacau e tâmaras

sábado, 29 de julho de 2017

Bolinhas de cacau e tâmaras

No post sobre a calda de tâmaras, eu comentei que o resíduo da coagem poderia ser misturado a um pouco de calda e usado como geleia, para passar no pão. Foi o que eu fiz da primeira vez que preparei. Mas da segunda, confesso, já achei que era um uso muito besta para algo com tanto potencial.

Aí me lembrei de já ter visto em blogs e sites gringos algo chamado de energy balls - uns lanchinhos doces com uma pegada mais 'saudável'. Como o nome indica, elas vêm em forma de bolinhas e podem ser devoradas de uma bocada só.

Resolvi então arriscar e fazer energy balls com o resíduo da coagem da calda de tâmaras. Fiz alguns testes e cheguei a um resultado que achei digno de compartilhar.

Bolinhas de cacau e tâmaras

Ah, antes que você ache que eu estou querendo enganar alguém (ou a mim mesma), vamos lá: isso não é trufa nem brigadeiro. Nem tem a intenção de ser. É só uma guloseima pra quem curte um docinho mas não está na vibe de enfiar o pé na jaca. Calhou de ser redondo e ter sabor predominante de cacau, mas nem precisava ser assim.

Após todas essas ressalvas, vou lhe dizer: as danadinhas são deliciosas. A textura é leve e macia, não esfarela nem agarra no dente. São chocolatudas e doces na medida. Eu as comi na TPM e foram a minha salvação.

Ah, se você ou alguém que você conhece segue a dieta paleolítica, pode oferecer sem medo. Levei para o Felipe (a santa criatura que me tirou do sedentarismo), que é formigão e paleo, e ele AMOU.

Bolinhas de cacau e tâmaras
Receita inspirada nesta daqui

Ingredientes:

Para as bolinhas:
320-340 g do resíduo da coagem da calda de tâmaras
50g de calda de tâmaras*
1 colher (chá) de extrato de baunilha
Uma pitadinha de sal
60g de cacau em pó não adoçado (uso o 100% Extra Brute da Barry Callebaut)
50g de óleo de coco em estado líquido
40g de farinha de amêndoas ou coco fresco triturado fininho*

Para cobrir as bolinhas:
Cacau em pó ou coco fresco triturado fininho*

Modo de preparo:

No copo do processador de alimentos (ou na tigela da batedeira equipada com o batedor em formato de pá), junte todos os ingredientes para as bolinhas. Bata até ficar bem uniforme, já querendo formar uma massa compacta.

Com o auxílio de uma cookie scoop ou uma colher medidora com capacidade para 1 colher (sopa), retire porções da massa e modele em bolotas. Se achar necessário, pode untar as mãos com um pouco de óleo de coco.

Passe as bolotas pelo coco trituradinho (ou pelo cacau em pó) e acomode em forminhas de trufa, se quiser. Conserve na geladeira por até 3 dias e sirva geladinho.

Rendimento: umas 20 bolinhas do tamanho de bolas de golfe.

Bolinhas de cacau e tâmaras

Observações finais:

* Como você viu nas fotos, fiz duas versões dessas bolinhas: uma com farinha de amêndoas, coberta com cacau em pó, e outra com coco na massa e na cobertura. As duas ficaram muito boas!

* 'Coco fresco triturado fininho - o que é isso, fia?' Vou confessar: na verdade, é o resíduo do leite de coco caseiro - aquilo que você obtém depois de coar a água bem batida com a polpa de coco.

* Não testei usar coco ralado industrializado, mas acredito que dê certo também.

10 Anos No Calor do Fogão - o resultado do sorteio!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Ois! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a tod@s que dedicaram um tempinho respondendo à pesquisa de opinião do blog. Eu e os meus amigos da Alvetti.com vamos rebolar trabalhar arduamente para fazer desse espaço um local onde você se sinta cada vez mais em casa ;-)

Mas, como eu havia prometido no post de lançamento da pesquisa, haveria um sorteio de um kit de livros do Gordon Ramsay como forma de agradecimento a todos os participantes. E ele ocorreria hoje, 28 de julho! Então, sem mais delongas, vamos aos resultados!

49 participantes da pesquisa se candidataram ao sorteio...


E o número sorteado foi o 22!

Quem é o 22, mia gente? A Valéria de Magalhães Albuquerque! 

Valéria, parabéns! Já enviei mensagem pra pedir seu endereço!

A quem não ganhou, não fique triste! Algo me diz ("algo" = eu mesma) que teremos mais sorteios/promoções culturais no blog muito em breve! 

Ropa vieja

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Mais um prato para slow cooker - e mais um cubano. ¡Viva!

Ropa Vieja é um prato super tradicional em Cuba. E, como qualquer prato tradicional, há dezenas de versões - cada uma se intitulando a mais autêntica. Mas, na maioria delas, consiste em um guisado de carne, tomates e pimentões. A carne é bem desfiadinha e o o molho resultante é picante, super aromático, desses que fazem os vizinhos suspirarem cada vez que se abre a panela.

Ropa Vieja
Receita adaptada daqui

Ingredientes:

1 kg de acém bovino, limpinho (inteiro - não precisa cortar em cubos)
6 dentes de alho - 3 inteiros, 3 picadinhos
1 colher (sopa) de óleo de girassol
2 latas (240 g) de molho de tomate*
1 pimentão verde médio finamente fatiado (usei 1 xícara, em cubinhos)
1 cebola média fatiada em meias-luas finas (usei 1 xícara, picadinha)
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes, picadinha (use luvas!)
2 colheres (chá) de orégano seco
2 colheres (chá) de sal
1 colher (sopa) de cominho moído
1 colher (sopa) de vinagre branco (usei de maçã)
1/4 de xícara de coentro fresco picado + mais para servir

Modo de preparo:

Com uma faça três pequenas incisões no acém - o suficiente para enfiar um dente de alho em cada uma delas (e ele não sair). Tempere os dois lados da carne com sal e pimenta-do-reino.

Numa frigideira grande e funda, aqueça o óleo e sele a carne dos dois lados, deixando-a ficar bem dourada. Pode espirrar um pouco de gordura, mas resista à tentação de tampar a panela para que ela doure, e não cozinhe no vapor.

Transfira a carne para a slow cooker, adicione os demais ingredientes e misture bem. Tampe e programe para cozinhar em temperatura baixa por 7-8 horas (eu deixei cozinhar de um dia para o outro). Está pronto quando a carne desfiar facilmente (teste com o auxílio de dois garfos).

Remova a carne da panela para um prato, desfie-a completamente com os garfos e devolva-a à slow cooker. Prove o tempero e acrescente mais sal ou pimenta-do-reino, se precisar.

Sirva com coentro salpicado e arroz branco. Ou, se preferir, recheie trouxinhas de alface, tortillas de trigo... um pãozinho também cai bem, caso queira mergulhar no molho.

Observações finais:

* Novamente usei aquele molho de tomate trucão que costumo preparar quando vou cozinhá-lo na slow cooker: 2 latas de tomate pelado; 1/2 cenoura e 1/2 cebola, tamanho médio, descascadas e picadas grosseiramente; 3 tâmaras, sem caroço; 1 dente de alho; 1 colher (chá) de sal; 4 pedaços de tomate seco. Bato tudo no liquidificador até virar purê e pronto.

* Usei alguns ingredientes picadinhos (cebolas e pimentões) porque comecei a preparar o mise-en-place de outra receita, mas no meio do caminho mudei de ideia.

* A Ropa Vieja pode ser conservada na geladeira por até 5 dias, ou no freezer por até 2 meses.

* Já participou da pesquisa de opinião? HOJE É O ÚLTIMO DIA! É bem rapidinho - em menos de 5 minutos, você termina. E ainda pode concorrer a um kit com dois livros do Gordon Ramsay! *Update: pesquisa encerrada! Obrigada por sua colaboração!

Printfriendly